O halving do bitcoin e o seu potencial

A mineração do bitcoin talvez seja a parte mais complexa, para as pessoas comuns, de entender como se sustenta a rede do principal criptoativo do mercado.

ENTRE 1.300% E 5.000%

“Um bom jeito de descrever a mineração [do bitcoin] é como um gigante e competitivo jogo de sudoku que se reinicia toda vez que alguém encontra uma solução...”
Andreas M. Antonopoulos, especialista em criptomoedas

A mineração do bitcoin talvez seja a parte mais complexa, para as pessoas comuns, de entender como se sustenta a rede do principal criptoativo do mercado.

Por isso explicações como essa que nos ofereceu Antonopoulos em seu livro “Mastering Bitcoin” são uma ótima forma de falar desse processo intrínseco à criptomoeda.

Por outro lado, associações da mineração de criptoativos com picaretas e mineração do ouro podem atrapalhar o entendimento dos iniciantes nesse mercado.

Digo isso porque a emissão de novos bitcoins por meio da mineração se assemelha muito mais a um trabalho intelectual do que a braços fortes segurando uma ferramenta.

Mineração de cripto não é assim:

Figura 1. Mineração de carvão nos primórdios da indústria

É mais assim:

Figura 2. Planta de mineração da Bitmain

Estou tocando nesse ponto hoje apenas para chegar aonde quero, que é o halving, a queda na recompensa para o minerador.

Mas vamos entender isso por analogia primeiro pra todos ficarmos na mesma página.

Imagine que você faz um determinado trabalho e recebe como pagamento uma commodity, digamos, uma saca de café de 60 kg.

Então pense que, a cada quatro anos, esse pagamento cai pela metade (o halving) e que, a partir de maio, (entre o dia 11 e 12) o seu pagamento passará a ser de 30 kg apenas.

Nesse cenário é crucial que a cotação dessa commodity continue subindo ao longo de quatro anos e pelo menos dobre de valor para compensar esse choque no seu pagamento quadrienal.

É precisamente assim que funciona o mercado de mineração.

O minerador é uma empresa que aplica muito capital de início em ativos imobilizados, que são as máquinas que vão resolver o sudoku gigante, e possui um gasto recorrente de energia para alimentar esses computadores.

Por isso, neste exato momento o minerador que gasta em torno de U$S 4 mil para minerar um bitcoin está preocupado com os preços atuais desse ativo, porque com a remuneração cortada pela metade depois de maio ele pode ter prejuízo.

Para que a mineração seja lucrativa novamente para o caso acima, o bitcoin têm que se valorizar frente ao dólar.

É nessa estrutura que se pauta um dos pilares da valorização do bitcoin e o resultado nos últimos dois halvings tem sido satisfatório.

Do primeiro (2012) para o segundo halving (2016), o bitcoin se valorizou mais de 5.000% e, desde então, subiu mais de 1.300%.

Esse é o tamanho da oportunidade que estamos vendo passar diante dos nossos olhos hoje.

Um ganho desses seria satisfatório em qualquer nível de alocação em uma carteira.

Não deixe essa grande chance passar.

Forte abraço,
André Franco

Inscreva-se em nossa newsletter