Lave as mãos e proteja seus investimentos

Inverno rigoroso no Estado americano de Minnesota.

Inverno rigoroso no Estado americano de Minnesota.

Acometida por um aparente forte resfriado, Beth Emhoff, uma executiva americana, acaba de retornar de uma viagem à Ásia.

No dia seguinte, enquanto sua condição piora, o marido, Mitch, vai à escola buscar o filho de 6 anos que também está febril.

Passa-se mais um dia e o quadro de Beth se agrava. Enquanto conversava com o marido na cozinha, sofre uma convulsão e é levada às pressas a um hospital.

Ao chegar ao pronto-atendimento, Beth convulsiona novamente e Mitch é rapidamente retirado da sala enquanto a equipe médica trabalha no socorro. Minutos depois, Beth falece.

Em choque, Mitch volta para casa e encontra o filho morto também.

Em seguida, após a autópsia no corpo da esposa, Mitch é levado ao hospital e posto em quarentena, apesar de não demonstrar alteração alguma. Enquanto isso, pessoas que tiveram contato com Beth em sua viagem recente começam a reportar os mesmos sintomas. A velocidade na evolução do quadro e a taxa de mortalidade chamam a atenção das autoridades ao redor do mundo.

Nos Estados Unidos, representantes do Departamento de Segurança Interna e do Centro de Controle e Prevenção de Doenças se mobilizam para tratar do que já classificam como epidemia. Há suspeitas de que a origem seja um ataque terrorista com armas biológicas.

O contágio se alastra e campos de triagem são montados. Aeroportos americanos fecham. O presidente se refugia dentro de um bunker e os serviços de emergência no país todo entram em colapso.

Algum tempo depois, cientistas conseguem isolar o vírus e determinam que se trata de uma mistura de material genético de origem suína e de morcegos. Projetam que 1 em cada 12 pessoas do mundo serão infectadas, com um taxa de mortalidade de 25% a 30%.

Paro a história por aqui, evitando acusações de spoiler.

Se quiser saber como termina, assista ao filme “Contágio” (de 2011), do diretor americano Steven Soderbergh, com estrelas como Gwyneth Paltrow, Matt Damon, Kate Winslet e Jude Law. Infelizmente, não está disponível na Netflix, mas há outras alternativas disponíveis, como no Amazon Prime Video.

Para quem já assistiu, não há como evitar a lembrança desse enredo nesta semana em que vimos o coronavírus chegar a 9.000 casos confirmados na China, ultrapassando em números absolutos a epidemia de SARS de 2003, que, por sinal, também era causada por um coronavírus. Por outro lado, a nova versão do vírus parece ser menos letal, já que o SARS matou três vezes mais pessoas (gráfico abaixo).

A tensão veio escalando com a divulgação de cada nova estatística e contaminou os mercados.

Aqui no Brasil, a Bolsa devolveu todos os ganhos do ano e a cotação do dólar atingiu patamares inéditos.

Lá fora, o S&P também voltou aos níveis do fim do ano passado, depois de um bom início neste 2020.

Aqui na Empiricus, nossos especialistas estão dedicados a acompanhar o desenrolar da crise. Estamos medindo constantemente os impactos das reações em nossas recomendações e informando nossos assinantes sobre como reagir.

Diferentemente da ficção de “Contágio”, não sabemos qual será o desfecho desta epidemia. Torcemos para que seja em uma escala bem menor que a da trama cinematográfica.

Fica porém reforçada a nossa filosofia de investimentos que defende estratégias robustas, idealmente antifrágeis, para enfrentar eventos futuros desconhecidos.

Nesta semana, o Felipe e eu demos uma entrevista para o Podcast da Rio Bravo e tratamos, dentre outro temas, desse assunto.

Por volta do minuto 10 da conversa, o Felipe aborda a importância de seguros e proteções para enfrentar eventos imprevisíveis.

Por mais confiantes que estejamos em nossas teses, não há certeza alguma de sua concretização.

Em face de um vírus mutante e da busca de sua cura, há uma ampla oferta de vacinas que garantem a saúde do seu portfólio.

Se você já nos segue há algum tempo, conhece nossas recomendações de boas vacinas para proteger o seu portfólio.

Deixo você agora com os destaques da semana.

Um abraço e boa leitura.
Caio

Inscreva-se em nossa newsletter