As três armadilhas contra o ato de investir

Se você está começando agora sua trajetória de acúmulo de investimentos, não ande devagar, mas também não ande depressa demais.

Se você está começando agora sua trajetória de acúmulo de investimentos, não ande devagar, mas também não ande depressa demais.

Ficar rico rapidamente pode ser tão ou mais perigoso do que se endividar. Não raro, as duas situações convergem para a pobreza.

Para afugentar a pobreza e atrair riqueza, devemos administrar o tempo que passa dentro de nossas cabeças. Relativo ou subjetivo, o tempo não corre sempre em um mesmo ritmo. Cada um de nós dita o ritmo de seu próprio tempo.

Há um ritmo adequado de evolução do patrimônio de cada pessoa, e ele tem a ver com (i) a capacidade própria de economizar mês a mês e (ii) as condições de mercado.

Desafiar ambas as restrições implica sérios riscos financeiros.

Se o investidor consegue economizar 500 reais por mês, está ótimo, de verdade. É uma belíssima maneira de começar a acumular riqueza. Basta aceitar que vai levar tempo, e que não é possível transformar 500 reais em 50 mil reais em questão de meses.

Ou às vezes acontece de o mercado estar de mau humor, de um vírus aparecer do nada. Precisamos respeitar esse tipo de coisa. Pequenas batalhas perdidas em prol de uma grande guerra vencida, a guerra da independência financeira.

Investir é bom demais, dá resultado. Se a pessoa começa a investir e logo desiste, é porque seu ato de investir não existia. Existia apenas um desejo bruto de chegar.

Quem desiste e quem sequer começa é porque caiu em pelo menos uma destas três armadilhas da vida:

ARMADILHA #1
O primeiro sintoma de que estamos matando nossa vocação de investir - uma vocação com a qual todos nascemos - é a falta de tempo. As pessoas mais ocupadas que conhecemos sempre têm tempo para tudo, enquanto as desocupadas nunca fazem nada e estão sempre cansadas.

ARMADILHA #2
A segunda armadilha exalta as nossas certezas. Passamos a nos julgar sábios, justos e corretos. Quando a Bolsa sobe, temos plena convicção de que vai subir mais, dobramos nossas apostas com um dinheiro que sequer temos disponível. Quando a Bolsa cai, aquela traidora, botamos no mundo a culpa que era só nossa, e que não soubemos carregar.

ARMADILHA #3
Finalmente, a terceira armadilha que captura nossos sonhos de enriquecer é a paz. Passamos a encarar a vida como um passeio no parque, sem exigir esforços acima do que queremos dar. Quando abrimos mão da ambição saudável e encontramos a paz (a paz do CDI, por exemplo), experimentamos um breve período de tranquilidade. No entanto, o tempo vai passando, cobrando a sua parte, e os sonhos mortos começam a apodrecer dentro de nós.

As armadilhas estão engatilhadas, espalhadas por toda parte. Capturam muitos pseudo-investidores, todos os dias, aqueles que teimam em andar pelo caminho financeiro a que estão acostumados.

Inscreva-se em nossa newsletter