Desconflite-se

Anos atrás, parecia o momento propício para se desbancarizar, escapar das amarras dos bancos, trocar o vinil pelo compact disk. Agora eu poderia já falar da nova onda, de descorretização, de Spotify. Mas apenas fugiria do problema em sua raiz.

Anos atrás, parecia o momento propício para se desbancarizar, escapar das amarras dos bancos, trocar o vinil pelo compact disk.

Agora eu poderia já falar da nova onda, de descorretização, de Spotify. Mas apenas fugiria do problema em sua raiz.

As grandes questões da humanidade não são solucionadas por ferramentas, mas sim por princípios.

O assaltante do passado que portava faca de pedra hoje programa um drone, e continua sendo um assaltante.

Ferramentas são meras extensões de um corpo social regido por princípios.

Você escapou do oligopólio de bancos para cair num monopólio de corretora. Percebe? Be careful what you wish for.

A tarifa que era cobrada da sua conta em banco hoje desaparece implícita no spread a menor que lhe pagam por certificados de renda fixa com upsides limitados e riscos turvos (apenas para citar um único exemplo).

Marco de almoçar com um amigo do colégio, excepcionalmente bom de conta, nada de errado com suas faculdades matemáticas.

Ele comenta, feliz, que agora tudo é corretagem zero. A brave new world. Compram-se e maturam-se papéis sem qualquer taxa, sem qualquer corretagem.

Preciso alertá-lo, meu caro.

Se você usa um serviço de graça (uma conta no Facebook, um search no Google), e não consegue identificar o produto negociado, isso só pode significar uma coisa.

Parabéns, você é o produto.

Sem problemas, desde que tome ciência de como você está sendo cobrado, de como está sendo usado pelo mundo, pelos bancos, corretoras.

Qual o grande bônus do Nubank, ao meu ver? UX é legal, roxinho é hipster para quem gosta, atendimento é decente. Porém, o grande salto tem a ver com honestidade (um princípio, não uma ferramenta).

Você saca dinheiro no 24 horas e recebe imediatamente uma mensagem na tela do celular, em tamanho de fonte normal, avisando: "aê vacilão, você percebeu que esse saque custou R$ 6,50?".

Percebi sim. Estou topando pagar R$ 6,50 para sacar dinheiro em um mundo digitalizado que só usa cartões. Mas obrigado por avisar.

Ou, caraca, não sabia, vou pensar duas vezes antes de sacar de novo, ou vou sacar mais em menos vezes, pra diluir o custo.

De qualquer forma, a tarifa está lá, na sua cara, baseada na premissa de que você é adulto o suficiente para tomar decisões baseadas em todas as consequências envolvidas.

Não estou aqui pra puxar saco do Nubank. Se estivesse, puxaria saco da Empiricus.

O grande lance é: se você for capaz de se desconflitar, de escapar de instituições que lucram por conflitos de interesse, todo o resto importa menos.

Não tem a ver com desbancarizar, com descorretizar. Tem a ver com opiniões e informações francas, modelos de negócio feitos por adultos e para adultos.

Se você parte da premissa de que seu cliente ainda vai amadurecer, de que já está fazendo bem por ele apenas por ser menos pior do que os bancos, você parte de uma premissa mesquinha. Pode até dar certo por um tempo, mas vai acabar amaldiçoando todo o seu negócio.

Não existe mais ou menos honesto.

A coisa certa é uma só, aquela que não é errada, e ela é bem possível.

Inscreva-se em nossa newsletter