Não sei se existe uma dica mais confiável do que essa

Já estávamos em um ciclo largamente favorável para ativos de risco.

Já estávamos em um ciclo largamente favorável para ativos de risco.

De repente, veio o corona, e - ironicamente - abriu nova oportunidade de entrada para aqueles que haviam perdido a pernada anterior.

Agora, até mesmo os atrasados podem participar dos ganhos. A cada episódio de pânico, o mercado prova seu caráter inclusivo e democrático.

Mas como participar?

O que os investidores brasileiros precisam fazer de diferente para colherem os benefícios deste ciclo de alta?

Na verdade, não precisamos fazer nada de diferente. 

Precisamos apenas fazer o que todos os investidores de países desenvolvidos já fazem desde sempre, ou desde que vivem com juros civilizados.

Investidores globais estão pesadamente alocados em ações, fundos imobiliários e imóveis físicos.

A pizza abaixo mostra que 44% da capitalização internacional se pauta estritamente em ações (28%) e imóveis (16%).

Conversando dia a dia com a qualificada base de leitores da Empiricus, podemos ficar com a impressão de que todo mundo já está pronto para comer essa pizza.

De fato, nossos leitores estão antenados na tendência secular de financial deepening brazuca, e enxergam o coronavírus muito mais como uma chance de comprar barganhas do que como um presságio do apocalipse.

Mas essa é a percepção de quem vive dentro de uma bolha.

No Brasilzão sem porteira, as pessoas estão apenas começando a conhecer a renda variável. 

A maioria nunca comprou uma ação ou fundo imobiliário. E, mesmo aqueles que já compraram ainda possuem alocações meramente simbólicas, muito abaixo dos 44% observados na pizza global.

Fiz questão de tornar pública essa pizza pois a vejo como um espelho de nós mesmos, de uma versão futura de nós mesmos, mais madura e mais rica.

Não é como se eu, Rodolfo, estivesse recomendando um peso de 44% para a renda variável. É simplesmente o que os Rodolfos (e Renatas, Paulos, Marias, Josés) fazem nos mercados desenvolvidos.

Então, é como se você estivesse recebendo uma dica do seu "eu futuro" sobre onde colocar seu dinheiro agora. 

Não sei se existe uma dica mais confiável do que essa, dada e recebida por uma só pessoa, separada por pontos diferentes no tempo.

Inscreva-se em nossa newsletter