O que você compra para o Pós-COVID?

Ainda falta muito, long lasting effects. O que não nos impede de imaginar: o que vai acontecer quando a COVID passar?

Ainda falta muito, long lasting effects.

O que não nos impede de imaginar: o que vai acontecer quando a COVID passar?

Falo aqui de cenários extremos - um extremo negativo e outro extremo positivo.

Se você quer entender fenômenos complexos, não perca tempo com a média. Vá direto para os extremos.

Na cauda negativa da distribuição, cada país tenta sanar o problema com suas próprias soluções.

Bota-se a culpa na China, Trump suspende o comércio com os chineses, e vice-versa.

Se algum país descobre a vacina, usa isso como "vantagem estratégica" em vez de compartilhar imunidade com o mundo.

Ganha força o nacionalismo, perde força o globalismo.

Já na cauda positiva, talvez a COVID seja o gatilho de que dependíamos para agir em conjunto.

Enquanto civilização global, carecíamos de um inimigo em comum.

Aquilo que foi a invasão soviética para os finlandeses, Pearl Harbor para os americanos, a Blitz para os ingleses… para o mundo, não havia paralelos até então.

Se os alienígenas do mal ainda não aterrissaram por aqui, que seja então a COVID a cumprir esse papel de inimigo público número um do Planeta Terra.

O inimigo do meu inimigo é meu melhor amigo.

Note que não precisava mesmo ser a COVID. Estamos cheios de problemas coletivos, sendo o maior deles o aquecimento global.

No entanto, a despeito de exemplos crescentes, a degradação ambiental não tem sido suficientemente assustadora a ponto de gerar uma comoção ampla, homogênea e imediata.

O coronavírus preenche essa lacuna, pois morrer hoje é mais temeroso do que destruir para sempre o habitat dos nossos bisnetos.

Talvez - espero que sim -, a luta de todos contra o vírus condicione a luta de todos em favor da ecologia que compartilhamos dentro desta bola que flutua por aí.

Talvez a COVID inspire um novo modelo de luta coletiva, de soluções conjuntas para problemas que são de todos, e que não podem ser resolvidos por N-1.

Esse é o grande desafio do século XXI.

Se você compra hoje um ativo para sua carteira de aposentadoria, é isto o que você está comprando: a capacidade de resolvermos problemas críticos globais de mãos dadas.

Inscreva-se em nossa newsletter