Tenha um pingo de educação na vida

Muita gente não desconfia, mas nosso sonho grande (meu e do Felipe) antes da fundação da Empiricus era tão simples quanto o sonho de um aluno esforçado que queria se tornar professor.

Muita gente não desconfia, mas nosso sonho grande (meu e do Felipe) antes da fundação da Empiricus era tão simples quanto o sonho de um aluno esforçado que queria se tornar professor.

Somos verdadeiramente apaixonados por educação. E, em particular, por educação financeira.

Por conseguinte, a Empiricus tem se envolvido cada vez mais em iniciativas de escolas públicas e privadas, desde o ensino básico até o superior.

Apenas preferimos assumir uma postura low profile em relação a isso, pois coisas do fundo d'alma nem sempre devem transbordar na aparência.

Bem antes de nos tornarmos uma empresa de marketing, já éramos, principalmente, uma empresa de educação. E tal hierarquia se preserva até hoje. Se algum dia ela se inverter, será o dia em que estaremos mortos.

Por enquanto, estamos vivos, de olho em tudo o que acontece, e cientes de que educação sem prática não vale nada.

Quando me pego distraído a esse respeito, volto a olhar para o slide abaixo, com os marcos históricos de grandes invenções, em paralelo com seus respectivos arcabouços teóricos.

Ao contrário do que os filisteus intelectualóides querem pregar, as invenções precederam em muitos casos o desenvolvimento teórico, e não o contrário.

Terça-feira passada, lá na Secretaria da Educação, ouvi da boca de um dos maiores especialistas em educação financeira do país: "comportamento não se muda com conhecimento".

Eu brigava contra o sono até aquele minuto. O sujeito me acordou de vez com um alarme epistemológico, um alarme que já ressoava em mim, de que o conhecimento, só, nunca basta.

É ganhando dinheiro que aprendemos a ganhar dinheiro; é perdendo dinheiro também.

Os riscos que assumimos ou evitamos são aqueles mesmos riscos que nos perseguem quando anoitece.

manual da faxineira, de Lucia Berlin, não ensina a fazer faxina.

Aliás, se você é daquelas pessoas que leem manual de cabo a rabo antes de ligar o equipamento, tenha um mínimo de dignidade e reconheça seu desvio de caráter.

Eu também reconheço o meu.

Só viramos professores de fato depois que desistimos da arrogância de ensinar alguma coisa a alguém.

É difícil, leva toda uma vida, mas talvez tenhamos tempo pela frente.

Inscreva-se em nossa newsletter